Estratégias, mecânica, narrativa etc. Todo louco por games algum dia sonhou em desenvolver o próprio produto, controlando o funcionamento de um universo cheio de ideias e representações. A boa notícia é que saber como criar um jogo se tornou muito possível!

Líder do mercado de games na América Latina, o Brasil viu o setor movimentar mais de um bilhão de dólares em 2018. Nos próximos dois anos, a perspectiva é de crescimento contínuo, o que deixa claro o potencial desse segmento.

Iniciativas independentes ganham espaço, estimulando a competitividade saudável e possibilitando que qualquer produtor seja bem-sucedido. Ao longo do texto a seguir, trazemos cinco passos fundamentais para criar um jogo. Siga com a gente!

1. Concepção e validação da ideia

Já ouviu falar no conceito de brainstorming? Em uma tradução livre, seria algo como ”tempestade de ideias”. Antes de dar início a qualquer planejamento mais elaborado, é importante considerar todas as ideias que vêm à cabeça, traçando prós e contras de cada uma.

Logo no começo, não pense em questões tão complexas, como se o game já fosse uma realidade. Foque sobretudo a premissa, o estilo e as características principais dos personagens, por exemplo. A intenção ao conceber e validar ideias é definir a linha que a produção deve seguir e se basear.

Para se diferenciar e aumentar o potencial de atração, abuse da criatividade. Ao trabalhar uma ideia de maneira gradativa, você notará que, aos poucos, ela tomará forma e permitirá o aprofundamento.

2. Planejamento e documentação

Definida a premissa do jogo, ela precisa ser devidamente registrada para organizar a sequência do projeto. Muita gente gosta de documentar ideias literalmente no papel, mas você pode fazer o arquivamento onde julgar mais adequado.

O importante é explicitar os aspectos citados no tópico anterior: premissa, estilo, personagens etc. Chega a hora, aliás, de selecionar a plataforma na qual o game rodará quando for lançado, decisão fundamental para moldar o desenvolvimento técnico da produção.

Nessa etapa, também entra a mecânica, por exemplo. O jogo será de RPG? Estratégia? Ação? Tabuleiro? Respondida essa questão, é o momento de começar a dar os toques pessoais ao jogo, criando regras e delimitando a quantidade de fases e o objetivo de cada uma delas. E a jogabilidade? Online, offline? Em modo single ou multiplayer?

O enredo é outro ponto que merece total atenção para entender como criar um jogo. Uma obra repleta de histórias legais torna a experiência mais divertida, portanto, escolha o personagem principal, os secundários, o vilão, o cenário, o contexto histórico etc.

3. Criação de um protótipo

Caso você não saiba, o protótipo nada mais é do que uma espécie de versão simplista do game. Uma pequena demonstração para examinar o andamento do projeto, testando mecânicas e demais detalhes importantes.

A fase de prototipação também serve como modo de validação da ideia que, até o momento, ainda é apenas uma ideia, de fato. Ver a teoria virar prática faz parte do planejamento, por isso, essa tapa não pode ficar de fora, ajudando a corrigir imperfeições. Não se preocupe, pois pequenas falhas são naturais e é até bom que apareçam no protótipo.

Trabalhar sobre erros com o game já lançado seria terrível em diversos sentidos, perdendo tempo e prejudicando a reputação dele. Ao avaliar o protótipo, caso o balanço seja positivo, é possível buscar parceiros para apoiar o projeto, solicitando financiamentos ou qualquer outro tipo de auxílio para a continuação.

Com funções prontas, existem inúmeros softwares focados na elaboração de protótipos de jogos a partir de engines de programação virtual. Essas plataformas produzem um cenário e facilitam a observação do estágio do game como um todo. Podemos citar a Unreal, ferramenta de alto nível e uma das melhores hoje em dia.

4. Desenvolvimento

Finalizada a parte de prototipação, vamos chegando mais perto de arregaçar as mãos e trabalhar no “bem bom”. Se a aceitação após os testes foi positiva, é um sinal de que está na hora de elaborar o game de verdade.

Nessa etapa, todos os passos do planejamento precisam ser rememorados (você se lembra da necessidade de documentá-los?) para aumentar a eficiência. O desenvolvimento do jogo pode ter dois caminhos: programando do zero ou se valendo de uma linguagem ou engine para fazer o trabalho.

Usando linguagens de programação

Um dos games de maior sucesso na história da indústria, o Minecraft, por exemplo, teve o desenvolvimento baseado na linguagem Java. Se você conhece essa metodologia o suficiente, pode investir nela.

Além do Java, outras linguagens famosas são Javascript, Python, C++ e C#. Vale lembrar que, apesar da semelhança na nomenclatura, Java e Javascript não são sequer da mesma plataforma.

Usando programas especializados

Não ser um expert em programação está longe de significar impossibilidade de saber como criar um jogo. Afinal de contas, a tecnologia nos permite que softwares especializados façam o serviço.

As chamadas engines montam tudo do zero, facilitando (e muito) o trabalho do desenvolvedor. Anteriormente no texto, mencionamos alguns exemplos, mas, a seguir, você conferirá uma lista com mais alternativas de programas:

  • Unreal;
  • RPG Maker;
  • Unity 3D;
  • Roblox;
  • Godot Engine;
  • 001 Game Creator;
  • Cry Engine.

5. Testes

Pode ser que bata a vontade de ver o game logo em funcionamento, mas não é bem assim que desenvolvedores de sucesso atuam. Antes de anunciar a aparição de um novo game, a veiculação de mais testes é fundamental para verificar se tudo está dentro dos conformes.

A análise, claro, é bem mais completa do que na fase de protótipo, pois nem só de questões técnicas vive um jogo. A capacidade de diversão e entretenimento consiste em um fator muito importante, assim como a dificuldade para avançar níveis, por exemplo. A trilha sonora também pode ser avaliada.

Quando julgar que todos os detalhes estão ok, faça um último check-up e lance definitivamente a plataforma!

Finalizado todo o processo, você terá a certeza de que deu o máximo para fornecer uma experiência de sucesso aos fanáticos por games. Saber como criar um jogo exige paciência e foco, mas não é nada de outro mundo. É importante, no entanto, fazer uma divulgação eficiente para popularizar a produção com maior velocidade, mas isso depende de você.

Se ainda for iniciante, aproveite a visita ao blog da SAGA e confira cinco dicas de ouro para criar o seu primeiro game!

Pin It on Pinterest

Share This